Make your own free website on Tripod.com



OS GLIFOS DE ROSWELL


Muito se fala sobre discos voadores e, sem dúvida alguma, um dos casos mais intrigantes é o de Roswell, cidade no Estado do Novo México, sul dos Estados Unidos, onde, na noite de 4 de julho de 1947, um Objeto Voador Não Identificado (OVNI) teria caído e a primeira testemunha do fato seria o então fazendeiro e criador de ovelhas William W. Brazel.
Aparentemente o OVNI sofrera uma avaria sobre a fazenda, perdendo parte do metal de sua estrutura e alguns objetos do seu interior, indo cair com seus supostos tripulantes em um local mais afastado.

Entre os objetos achados na fazenda, foram encontrados pedaços de um estranho metal e "barras" em forma de "I" com uma espécie de inscrição desconhecida.
Somente em 1995 com o controvertido filme da "Autópsia dos Extraterrestres (ET’s) de Roswell", divulgado por Ray Santilli, é que surgiram as primeiras fotos sobre o caso sendo, então, amplamente noticiadas pela mídia.
Dentre os objetos estranhos do OVNI vistos no filme de Santilli aparece uma foto de uma das barras em forma de "I", como mostrada na figura.

Comenta-se que o filme de Santilli seria uma farsa, principalmente quanto à seqüência suspeita da autópsia dos alienígenas, talvez uma tentativa de desacreditar a opinião pública sobre a existência de OVNI’s e ET’s.
Entretanto, a barra em forma de "I" com a estranha inscrição (glifos) continua intrigando muitos pesquisadores e criptologistas. Seria ela autêntica ou também uma farsa? Sendo falsa, porque ninguém conseguiu decifrá-la? Ou na realidade
ela é verdadeira e, daí sim, provém a dificuldade em se obter sua interpretação?

Para conhecermos o restante dessa busca pela significado dos glifos, vamos visitar a página do nosso amigo Ricardo F. Arantes, que fez uma pesquisa muito completa sobre o tema (clique abaixo):


Mais detalhes

 


 

| HOME | ORIGAMI | PRISMA | ERA UMA VEZ... | AMIZADES 
| ORÁCULO | HOT-LINKS | NOSSAS FOTOS | FILMESESCREVA PARA NÓS 

©1997-2002, Chave Mágica
by Leandro Amaral e Ricardo Namur
Ilustrações em aquarela: Sérgio Ramos